Jogo do Currículo

Friday, September 13, 2002




Já ganhei Oscar, já recusei Oscar, fui militante política, sou expert em ginástica...


Já dormi na praia
Já assisti três vezes ao mesmo show do Caetano, ao vivo
Já chorei em show do Chico Buarque
Já segurei um polvo na mão
Já mergulhei em Fernando de Noronha
Já nadei com uma tartaruga marinha
Já nadei com tubarão
Já ganhei três concursos de redação seguidos na escola
Já levei fora
Já dei fora
Já chorei por amor
Já achei que iria morrer de amor
Já fui representante de classe
Já tomei porre
Já fiz meu testamento oral depois de um porre, achando que iria morrer
Já fiz coisas que imaginava nunca ter coragem de fazer
Já escreveram poesias sobre meus olhos
Já publicaram cartões de amor com as poesias sobre meus olhos
Já dei instruções de pouso para um piloto de avião da torre de controle de um aeroporto
Já fumei durante 6 anos
Já parei há 10 meses
Já mandei flores para um homem
Já me pediram em casamento e eu disse não
Já andei de moto em Roma
Já vi a Torre Eiffel da janela do avião, toda iluminada à noite
Já ri em velório
Já deitei na neve
Já fiz uma música infantil, há muito tempo
Já escrevi poesias de amor
Já morei nos Estados Unidos por um ano
Já jurei nunca mais voltar para lá, mas já voltei
Já tive intoxicação alimentar em Los Angeles
Já cantei em público
Já fiz aulas de karatê
Já fui ameaçada de morte
Já fui perseguida por um louco que dizia que não podia viver sem mim
Já comprei o carro dos meus sonhos
Já fiz tratamento de canal
Já tirei dois dentes do siso
Já usei aparelho nos dentes
Já tirei a maior nota da classe numa prova de inglês da escola em que eu estudava nos EUA
Já fui assaltada duas vezes
Já corri atrás do assaltante dentro de uma favela
Já vi matarem uma galinha quebrando o pescoço, e achei horrível
Já recebi declaração de amor em público, e o cara de joelhos
Já deitei na pedra do precipício da Cachoeira da Fumaça, na Chapada Diamantina
Já fui cantada por uma mulher e saí correndo
Já pulei carnaval em Salvador
Já chorei de saudade dos meus pais e do meu irmão
Já menti para meus pais
Já falei mal de amigos
Já passei o réveillon numa caverna, na Chapada Diamantina
Já me pediram perdão e eu não perdoei
Já fiz terapia
Já chorei, em Roma, depois de uma garrafa de vinho
Já votei no Lula e vou votar de novo
Já assisti ao “Fantasma da Ópera” em Chicago
Já fui Lady Macbeth no teatro
Já disse ‘eu amo você’ para meu namorado antes de conhecê-lo pessoalmente, e continuo dizendo
Já me arrependi de várias coisas que deixei de fazer
Já escolhi os nomes dos filhos que quero ter.

Funny Valentine


Wednesday, September 11, 2002


Angela Scott, Marina W. e Cora Rónai

Angela: Já dormi numa casa da árvore.
Marina: Ahhhhhh, eu nunca!
Cora: Nem eu!
A: Já beijei vários atores mas nunca na boca.
M: Também.
C: Idem. Aliás, como tem ator por aí, né?
A: Já namorei um francês. Já namorei um italiano.
M: Nunca namorei um estrangeiro, humft!
C: Um americano. Aliás, dois; mas um foi há tanto tempo...
A: Nunca fui expulsa da escola. Mas fui suspensa.
M: Também, fumando no banheiro.
C: Várias vezes; por vários motivos.
A: Já mastiguei hóstia pra ver se era verdade que saía o sangue do Deus.
M: Eu não. Pecado. (Ou já?)
C: Passo: eu sou judia.
A: Já roubei nas Lojas Americanas. Parei. Era muito boa.
M: Nunca roubei nas L.A. Uma vez vi uma colegial roubando uma bala e mostrei pra minha mãe. Eu era bem pequena. Ela me fez crer que aquele era o pior dos crimes. Minha mãe também... francamente!
C: Nem eu. Mas dois meninos franceses amigos meus sim, numa loja em Paris, e foram pegos. E não sabiam se ficavam com mais vergonha de estarem roubando, ou do que roubavam: maquilagem. Bons tempos!
A: Já dancei, mambo, valsa.
M: Nunca...
C: Never.
A: Nunca consegui sambar.
M: Nem eu, mas cheguei a ter umas aulas com Dona Juju, a copeira. Na cozinha do trabalho mesmo (hohoho)
C: Nem pensar, sou um desastre ambulante.
A: Nunca abortei.
M: Nem eu.
C: Nem eu.
A: Já sentei ao lado do Sting.
M: Também, pisc*
C: Eu não!!! :-(
A: Já dormi no colo de um desconhecido.
M: Também! Vôo SP-NY. Dormi direto deitada em cima dele, só acordei quando ele me cutucou pra dizer que a comida ia ser servida. Ele achou normal, sempre tinha ouvido dizer que as cariocas eram "fáceis". Bleargh.
C: Nunca.
A: Já senti desejo e ternura pela mesma pessoa.
M: Também já.
C: Eu também.
A: Já andei de helicóptero com um tio louco, que pousava como se fosse avião.
M: Nunca andei de helicóptero.
C: Eu já andei várias vezes, mas nunca com parentes. Ainda bem.
A: Já fiquei três minutos e cinqüenta e oito segundos sem respirar.
M: Debaixo d'água? Beijando? Se for beijando eu também!
C: Caraca!
A:Já ajudei a construir um veleiro.
M: Ahhh....
C: Já ajudei a consertar um motor de lancha em pleno mar, serve?
A: Já participei de um filme.
M: Já fui figurante de novela, sem querer
C: E eu, de um video-clip.
A: Já beijei um sapo pra ver se virava príncipe.
M: Eca!
C: Beijar não beijei, mas já escrevi sobre um sapo que virava príncipe.
A: Nunca comi caviar ou escargot e jamais comerei.
M: Idem, idem.
C: Como sempre que posso; adoro!
A: Acampei. Muito. Mas nunca consegui montar barraca sozinha.
M: Eu nunca acampei.
C: Nem eu.
A: A primeira vez que entrei no mar tinha seis meses, soube nadar desde sempre, sempre amei o mar.
M: Não sei com que idade entrei no mar pela primeira vez mas também sempre soube nadar.
C: Aprendi a nadar antes de andar: Mamãe me levava pra piscina quando ia treinar. E o mar... bom, o mar estava sempre perto, logo ali. Até hoje.
A: Já tive um pomar.
M: Já tive um pomar também.
C: Eu não.
A: Já tive um filho.
M: Também, dois.
C: Também. Dois.
A: Já caí de moto e me ralei todinha.
M:Já me arrebentei numa mobilete.
C: Vocês, hein?
A: Já tive uma casa.
M: Também. Minha casa tinha sete quartos e uma piscina cheia de escorpiões.
C: Também. Mas menorzinha. Sem piscina. Ou escorpiões.
A: Já saí do meu corpo.
M: Ahhhh! Esse é meu sonho!
C: Eu sairia se pudesse trocar com alguém. Sharon Stone, por exemplo.
A: Aprendi a dirigir com um piloto.
M: Pisc*
C: Eu até hoje não sei se aprendi direito.
A: Já guiei num autodromo. Já fiz a serra de Petropolis no talo, desgarrando no precipício.
M: Uau...
C: Uau...
A: Já fiquei pendurada num precipício.
M: Puxa...
C: Puxa...
A: Já caí de um precipício.
M: Puxa!
C: Puxa!
A: Nunca saí do Brasil mas conheço algumas cidades do mundo como a palma da minha mão.
M:Já saí do país. NY é meu mapa sentimental.
C: Vivo saindo mas, às vezes, o que me dá mais gosto é voltar. E sonhar com novas viagens.
A:Já li meu destino nas mãos, nos astros, na areia, nas cartas, nas pedras, nos olhos, na aura, na alma, no passado e no futuro; nunca o presente.
M: Já leu em borra de café? Perdi o interesse por essas coisas.Nunca conheci ninguém que acertasse. A não ser um rapaz uma vez, que vendia posters do Che Guevara no pilotis da Puc. Ele olhou nos meu olhos e disse: Você está grávida. Pediu licença para apalpar meu tornozelo e teve certeza. Fiz exame, deu negativo. Mas a ciência estava atrasada e ele certo.
C: Fiz meu mapa astral no astrology.com. Tinha que ser, né?
A: Já fiquei cinquenta e três dias sem sair de casa.
M: Por motivo bom ou por motivo ruim?
C: Quando fiquei doente passei quase duas semanas sem sair.
A: Nunca ganhei em jogo.
M: Ganhei 1350 reais num bingo com o Pratinha :))
C: Nem em jogo, nem em sorteio, nada. Nunca.
A: Já engordei quarenta e dois quilos.
M: Sempre fui magrinha.
C: Ai, que inveja!!! Engordei mais de 20 quilos quando fiquei grávida.
A: Conheci seis pessoas que cometeram suicídio.
M: Eu era pequena e minha empregada me levou para ver a vizinha da porta ao lado. Ela estava caída no chão da sala, com o sangue escorrendo do ouvido, nunca vou esquecer. De noite perguntei do que ela havia morrido e minha mãe chutou uma doença qualquer. Não foi surpresa pra mim, eu já sabia que os adultos mentiam. Depois, muitos anos depois, meu primo fez a mesma coisa mas não tive coragem de vê-lo. E no mês seguinte, a Ana Cristina César se jogou da área do seu prédio. Foi o primeiro enterro que fui, como adulta, representando minha família.
C: Conheci. Algumas.
A: Já tive um acesso de riso num velório.
M: Eu sempre em igrejas...
C: Eu tinha sempre, em qualquer ocasião solene. Depois passou.
A: Já tive um acesso de riso numa peça do Geraldo Tomás.
M: Hohoho (acho que também teria)
C: Bem feito!
A: Já tive um acesso de riso na cama.
M: Hummm
C: Hummm
A: Já tive olho no olho com uma onça pintada.
M: Ahhh
C: Já tive sérias discussões com os gatos.
A: Aliás, no quesito natureza, já corri de jacaré, já fui abraçada por urso, já fui perseguida por coruja, já fiquei agarrada às cordas do píer enquanto passava o tornado.
M: To começando a achar minha vida sem graaaaça....
C: Eu também, Ma!
A: Já caí do cavalo.
M: Também, e desmaiei.
C: Só andei em pangarés mansos de pracinha, quando era criança, e olhe lá.
A: Nos verões da minha infância nadei com golfinhos.
M: :)
C: Nadei com golfinhos em Noronha.
A: Jamais imaginei que fosse precisar ir tantas vezes a uma delegacia.
M: Só fui a uma até hoje.
C: Eu também: em Roma, onde me assaltaram.
A: Já perdi a oportunidade de ficar calada.
M: Eu tantas....
C: Eu prefiro não falar nesse assunto.
A: Já chorei por compaixão.
M: Muito, muito
C: ihhhhhhhhh, demais!
A: Já ri de desprezo.
M: Idem.
C: Não, nunca. Gostaria.
A: Já me achei o máximo.
M: Também...Ai, que saudade (heheh)
C: E eu...! Nem me lembro mais da sensação: deve ter sido há pelo menos uns dez quilos.
A: Já me achei.
M: Esse é o ano em que vou me achar. Inshalá!
C: Eu achava que achei, mas descobri que não. Agora estou procurando. Se alguém souber de um caminho mais curto avise, por favor.


Home